O juiz Federal Sérgio Moro, da 13ª vara de Curitiba/PR, aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro para ser ministro da Justiça. Em nota oficial, o magistrado afirmou que “a operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais”.

Em nota oficial divulgada nesta terça-feira, 30, o juiz afirmou que iria refletir sobre proposta de Bolsonaro para que ele integrasse o STF ou o MJ. Nesta quinta-feira, Moro se encontrou com Bolsonaro e, ao que se anuncia, tudo ficou acertado.

Da Lava Jato para o Ministério da Justiça

O juiz Federal Sérgio Fernando Moro há tempos atuava em processos criminais complexos, envolvendo crimes financeiros, contra a administração pública, de tráfico de drogas e de lavagem de dinheiro. Foi juiz instrutor no STF durante o ano de 2012, trabalhando com a ministra Rosa Weber. Moro cursou o Program of Instruction for Lawyers na Harvard Law School e possui título de mestre e doutor em Direito do Estado pela UFPR.

Antes da notoriedade advinda com o comando da operação Lava Jato, Moro conduziu o caso Banestado, que resultou na condenação de 97 pessoas responsáveis pelo desvio de R$ 28 bi. Compôs uma lista da Associação dos Juízes Federais do Brasil para ocupar o lugar de Joaquim Barbosa no STF.

Após o encontro, o juiz federal Sergio Moro divulgou nota dizendo que aceitou “honrado” o convite:

“Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justica e da Seguranca Publica na proxima gestão. Após reunião pessoal na qual foram discutidas politicas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a pespectiva de implementar uma forte agenda anticorrupcao e anticrime organizado, com respeito a Constituição, a lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão”, diz trecho da nota divulgada pelo juiz.

Fonte: https://www.migalhas.com.br